Entrevista com Melissa Sousa | O peso não deve ser um problema - Vintage Girl

23 fevereiro, 2018

Entrevista com Melissa Sousa | O peso não deve ser um problema


Olá, podes falar-nos um pouco sobre ti?

Claro, o meu nome é Melissa Sousa tenho 21 anos e sou de Braga.

Diz-me coisas de que gostas?


O que eu gosto? Boa pergunta. Gosto de escrever, sentar-me à lareira com uma manta a ler um livro, gosto de café, de maquilhagem, gosto de molhar os pés na água do mar, de me sentar numa esplanada e passar lá horas na conversa, gosto dos meus amigos, do meu namorado, da minha família. Gosto de ver uma boa série, de estar no computador, no instagram. Gosto de comer 😂😂😂 gosto de mim ❤️.

Quais foram as tuas motivações para quereres partilhar a tua história connosco?

Infelizmente ainda existe muita gente que não consegue gostar do seu aspecto, amar-se a si próprio. E com isso começam a aparecer os transtornos alimentares, as depressões, ataques de ansiedade ... Tenho a intenção de demonstrar-vos que não é por ser gorda ou magra que me deixo de aceitar e de me amar tal como sou.

Diz-me coisas de que não gostas?

Uma coisa que eu detesto é ver alguém a gozar e apoderar-se de outro alguém só porque se julga mais forte. Detesto e não me controlo.. Sinto sempre que tenho de intervir nestas situações, sofri demasiado com esse tipo de gente. Não gosto de gente falsa, de mentirosos. Não suporto batatas à murro, comi tanto que enjoei 😂. Não gosto de ficar para trás, que me deixem de parte. Não gosto de ser o centro das atenções.

Sempre tiveste problemas com o teu peso?


Sim, desde pequenina que me pergunto o porquê de eu ser gordinha e as minhas amigas serem todas magrinhas.

E isso afectava-te enquanto criança?

Enquanto criança isso nunca me afectou verdadeiramente porque o que queremos aos 6 anos é brincar, não é entrar na depressão das dietas constantes, não é verdade?
Mas depois chegaram os 10 anos, os 12, os 14...

Sentes que as coisas pioraram com o teu crescimento?

Sim, bastante. A partir de certa altura comecei a ser gozada pelos outros, e não conseguia superar ou entender isso.

A que fase da tua vida se acentuaram os problemas de auto estima?

Acho que foi quando tinha eu 10 anos. Foi a fase em que entrei na puberdade, quando surgiu a "famosa" menstruação. O meu peito começou a crescer muito, e os pelos também. Cada vez eu tinha mais vergonha da minha aparência. Pensava que, como se já não bastante o peso, agora tinha vindo ainda mais isto para me deitar a baixo. 

Sei que chegas-te a ser apelidada em função da tua aparência física, queres falar sobre isso?

É verdade, aos 11 começaram a chamar-me de Melissa melancia, hoje consigo rir-me disso, mas só eu sei o que passei e o quanto isso afectou a minha vida. Passei muitas noites em claro a chorar por causa deste assunto. 

Tinhas alguém do teu lado que te ajudasse nesta fase?

Na verdade andava sempre sozinha, e acho que esse foi um dos motivos que deu impulso à ansiedade e depressão, e me fez sobrevalorizar o problema. 

Achas que esta situação prejudicou o teu desempenho escolar? 

Prejudicou e muito. Até ao sexto ano sempre fui aluna de 4 e 5, a partir do sétimo começou tudo a falhar nesse campo. Depois nunca mais tive notas altas, penso que devido a não aprender a matéria anterior...

Quando começas-te a ter as primeiras crises de ansiedade?

As minhas crises de ansiedade começaram a surgir quando anoitecia e eu sabia que no dia seguinte teria de regressar a escola, para voltar a ser humilhada. Não queria de todo voltar lá para ouvir todas aquelas palavras cruéis, entrava em pânico. 

Sei que frequentas-te uma nutricionista, que idade tinhas nessa altura?

Sim, nessa fase tinha 12 anos. A minha mãe levou-me a uma nutricionista e em quatro meses consegui emagrecer logo 10 kg.  Sentia-me outra pessoa, só queria continuar a perder mais, mais e mais. Mas isso não aconteceu, estagnei. Acabaram os resultados. Eu sentia-me bem comigo mesma, mas as bocas e humilhações da parte dos outros não paravam. Acabei por desistir e ganhei mais peso ainda. 

E depois de voltares a engordar, como te sentiste contigo mesma?

Bem, aos 14 anos cheguei ao meu limite e comecei a ter vergonha de mim mesma, a minha confiança foi completamente detonada, sentia-me fracassada. Consegui tomar uma decisão: Eu não queria mais aquilo para mim. 

O que fizeste então para mudar? 

Esforcei-me e consegui perder novamente os 10 Kg. Depois aos 15 anos mudei de escola e tudo mudou à minha volta. Finalmente eu tinha amigos. Ninguém me gozava, simplesmente estavam ali para me apoiar, o que foi uma ajuda enorme. No fim desse ano os meus pais imigraram e eu voltei a mudar de escola. 


E como encaras-te uma nova mudança?


Positivamente, foi aí que conheci o meu actual namorado. Ele sempre me disse que gostava de mim da maneira que eu sou, fosse gorda ou magra, que gostava de mim com os meus defeitos. E demonstrou-o. Passei os últimos 5 anos de uma forma totalmente diferente, confortada nas suas palavras de apoio. Isto até entrar na universidade...


As coisas voltaram a piorar na universidade?


Na universidade todos parecem melhores do que nos, mais inteligentes, mais tudo.. Voltei a ter ataques de ansiedade, e fui emergida pela vontade enorme de baixar os braços e desistir. Perdi um ano de estudos que estou agora a repetir. Tudo isto foi devido a ansiedade e ao meu medo de ficar para trás, o que no fundo acabou por acontecer.


E como te sentes hoje em relação a isso?


Nunca mais fui a mesma. Pelo peso, pela falta de confiança, pelos outros. Mas sinto-me bem. Sou gorda? Sou. Mas sou feliz!


Se pudesses dar um conselho às mulheres que estão a enfrentar o mesmo problema que tu, qual seria?

Não dêem importância ao que os outros dizem, tenham orgulho em vocês próprias, porque como se costuma dizer: se nós não nos amarmos, quem nos amara?



Este é o depoimento da Melissa, ela deixou um beijinho enorme a todas vocês!




Se tu também lidas com algum problema problema depressivo, de peso/saúde, transtornos alimentares, problemas de enquadramento social, ou se és simplesmente uma mulher que defende os direitos das outras mulheres não deixes de partilhar o teu depoimento comigo através do email geral@vintagegirl.pt ou no facebook https://www.facebook.com/vintagegirl.pt .

2 comentários: